Konietzka e o início da rivalidade futebolística entre Munique e Dortmund

Konietzka em seus tempos áureos no Borussia Dortmund (Divulgação: Bundesliga)

Timo Konietzka tem seu nome marcado no futebol alemão por vários feitos. Autor do primeiro gol da história da Bundesliga, o atacante marcou época na Alemanha atuando por Borussia Dortmund e Munique 1860, clubes em que foi ídolo e viveu seu auge. Ao todo, marcou 72 gols pelas equipes atuando na Bundesliga.

Entre seus feitos, Timo Konietzka ficou marcado por uma história pouco conhecida, mas que começou a ferver uma disputa que é vivida ferozmente nos dias atuais: a rivalidade no futebol entre as cidades de Munique e Dortmund. Hoje, protagonizada por Borussia Dortmund e Bayern de Munique, foi vivenciada outrora por outra equipe da capital bávara, o Munique 1860.

Campeão alemão de 1963, o Borussia Dortmund chegava como um dos favoritos para as primeiras edições da Bundesliga, que teria sua primeira edição no ano seguinte. Konietzka, um dos principais artilheiros do futebol alemão na época, chamou a responsabilidade e marcou o primeiro tento da Bundesliga, aos 58 segundos da primeira partida, da primeira rodada, da primeira temporada do novo campeonato. A esta altura, nenhum clube estabelecia uma hegemonia no futebol alemão, o que rendia sempre grandes disputas pelos títulos. O Dortmund media forças principalmente com Köln, Werder Bremen, Eintracht Braunschweig e Munique 1860.

Na temporada 1965/1966, o Munique 1860 anunciou Timo Konietzka como grande reforço - na verdade, a transferência foi anunciada na final da Copa da Alemanha de 1965 entre BVB e Aachen, dividindo o vestiário do Borussia, que não tinha certeza se escalar o artilheiro era uma boa idéia. No entanto, Konietzka jogou a partida e o Dortmund foi campeão, o que não foi o suficiente para diminuir o ódio criado pelos aurinegros com a transferência. Na Bundesliga, já em sua reta final, proporcionava uma forte disputa pelo título justamente entre o BVB e o TSV 1860. Revezando na liderança por grande parte da competição, as equipes tentavam se manter próximas até o fim do campeonato. O Borussia Dortmund, que também disputava a Recopa Européia, teve que dividir suas forças entre as duas competições e abriu margem pro 1860 concentrar seus esforços na Bundes. Com a fadiga dos aurinegros, os Leões de Munique assumiram a liderança na reta final, com o faro de gol do seu novo artilheiro. No fim daquela temporada, o 1860 de Konietzka seria campeão da Bundesliga dentro do estádio do Borussia, que vice campeão, conseguiu atingir seu objetivo europeu ao conquistar a Recopa.

Mas foi na temporada seguinte, em 1966/1967, que a rivalidade tomou outra proporção, em uma partida que marcaria pra sempre a carreira de Konietzka. Em Munique, no Grünwalder Stadion lotado, os clubes voltariam a medir forças pela Bundesliga. Em um jogo que se esperava grande qualidade técnica, a tensão falou mais alto. Tudo começou com um penâlti duvidoso a favor do time da casa, que despertou a ira dos jogadores do Borussia. No entanto, Brunnenmeier perdeu a penalidade. O jogo seguia com um equilíbrio gigantesco, quando o BVB marcou um gol de forma irregular. Siggi Held havia desviado com a mão para marcar o gol de sua equipe, que legalizado pelo árbitro da partida, criou uma fúria em todo o estádio. Os torcedores do 1860, indignados, jogavam objetos no campo. E na confusão que tomava conta do gramado, Konietzka agrediu o juiz num golpe descrito pelos jornais da época como: "um golpe no peito, um chute contra a dorsal que foi capaz de atingir o apito". Timo seria expulso e o Dortmund acabaria como vencedor da partida, e ao fim da temporada em terceiro lugar, novamente atrás do algoz e segundo colocado Munique 1860.

Konietzka na fatídica expulsão que encurtou sua gloriosa carreira (Divulgação: BundesligaFanatic)

A partida, muito falada pela mídia local, não acabaria naquela noite. A DFB decidiu punir Timo Konietzka pelo seu ato de fúria com uma suspensão de 6 meses, a maior da história da Bundesliga. 1860 e o atacante tentaram reduzir a pena, sem sucesso. Desiludido, Timo Konietzka seguia um caminho surpreendente ao acertar com o Winterthur, pequeno clube da Suíça, rejeitando clubes como Real Madrid e Internazionale. O artilheiro ainda passaria pelo FC Zürich, também suíço, antes de encerrar sua carreira como jogador, que seria mais curta do que se pensava. Especialistas da época afirmam que, caso Konietzka não tomasse aquela atitude, teria se tornado um personagem ainda maior, muito mais lembrado do que é hoje em dia. Ainda há quem diga que disputaria os recordes com Gerd Müller.

Apesar de atualmente a disputa ter outro protagonista, Konietzka, seus gols, o Borussia e o 1860, ainda na década de 60, já mostravam aos alemães o que seria a rivalidade futebolística entre Dortmund e Munique.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.