Expectativa x frustração, o ano de 2017 do Borussia Mönchengladbach


Foto: Divulgação/Bundesliga
Inconsistente e frustrante, assim pode ser definido o ano de 2017 para a equipe do Borussia Mönchengladbach. Depois de um inicio promissor na temporada passada, ainda em 2016, os Potros tiveram uma queda vertiginosa em seu desempenho, culminando na demissão do técnico André Schubert, com o experiente Dieter Hecking chegando para repor.
Sob o comando de Hecking, os Foals até tiveram uma melhora, ao menos em um tiro curto, essencialmente nos resultados, mas nem tanto no futebol praticado. Após uma reviravolta espetacular diante da Fiorentina na Europa League, com hat-trick do capitão Lars Stindl, o Gladbach decepcionou sua apaixonada torcida em uma eliminação trágica diante do Schalke 04, dentro de casa, desperdiçando uma vantagem de dois gols. Posteriormente, na maior chance de voltar a conquistar um troféu – e até mesmo de voltar a disputar uma final, algo que não acontecia desde 1995 – quando o Borussia chegou à glória pela última vez, conquistando a DFB Pokal.
Nessa mesma competição, os comandados de Dieter Hecking foram eliminados pelo Eintracht Frankfurt, novamente em pleno Borussia-Park, na semifinal da competição, na disputa de pênaltis. Mesmo dominando a partida e a prorrogação, a falta de profundidade e criatividade nas jogadas falaram mais alto, culminando na eliminação da equipe. Ainda assim, o trabalho de Dieter Hecking foi considerado satisfatória por parte da diretoria, tendo em vista o cenário no qual o clube se encontrava antes da virada do ano.
Para a atual temporada, no entanto, as frustrações continuaram rondando o Borussia-Park. O Gladbach seguia acumulando bons resultados longe de seus domínios, mas os resultados dentro de casa foram minando a paciência da torcida, que constantemente vaiavam a equipe ao término das partidas. Ademais, mesmo com tanta inconsistência, alguns jogadores conseguiram se destacar na temporada irregular dos Potros, caso do belga Thorgan Hazard, que a cada temporada vem melhorando seus números, assim como sua participação na fluência de jogo da equipe.
O meia-atacante, todavia, continua pecando em um fundamento básico dos jogadores de frente: a finalização. Em diversas partidas, o belga desperdiçou chances incríveis, em jogadas de um contra um diante dos goleiros adversários. Até o momento, mesmo com problemas na conclusão das jogadas, Hazard contribuiu com sete gols e sete assistências em 20 partidas disputadas. Outros jovens jogadores também se destacaram nessa primeira metade de temporada, como o suíço Denis Zakaria, contratado para repor a saída de Mahmoud Dahoud e do jovem prodígio francês Mickaël Cuisance, contratado junto ao Nancy como um desconhecido, mas que até o momento, devido ao alto número de lesões, já acumula dois prêmios de melhor jogador do mês.
A perspectiva para o restante da temporada é que o Borussia Mönchengladbach volte a figurar entre os primeiros colocados do campeonato, em direção a um objetivo traçado no início da campanha: retornar as competições europeias, algo que o clube se habituou a disputar desde que conseguiu a milagrosa recuperação para evitar o rebaixamento na temporada 2010-2011.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.