Não podemos nos esquecer de Sebastian Deisler

Relembre a melancólica carreira de Sebastian Deisler 

Sebastian Deisler (Foto: Sandra Behne/Bongarts/Getty Images)

Quem acompanha o futebol alemão desde o fim dos anos 90's e início dos anos 2000, se lembrará de Sebastian Deisler. Jogador que infelizmente veio a se aposentar com apenas 27 anos em 2007, devido as lesões, que como consequência geraram problemas psicológicos em Sebastian, como a depressão, o que fez o mesmo desistir de sua carreira de jogador de futebol.

Deisler foi revelado pelo Borussia Mönchengladbach, na temporada 1998-99, os Potros acabaram sendo rebaixados naquela ano, e com isso habilidoso meia-direita rumou em direção a capital Berlim, para defender as cores do Hertha BSC. Atuando no Hertha, começou a chamar atenção da mídia alemã, com seus belos passes e dribles, o meia-direita nunca foi um goleador, mas chamava muita atenção pela sua forma de jogar, a beleza que demonstrava nos gramados, o que naquela época, o futebol alemão não via com frequência, após duas desastrosas campanhas nas Copas de 1994 e 1998, derrotadas pelas modestas seleções da Bulgária e Croácia, e se conformando com a aposentadoria de ídolos do futebol alemão como Jürgen Klinsmann e Lothar Matthäus.

Deisler e o brasileiro Marcelinho Paraíba, comemorando um gol do Hertha BSC (Foto: Danny Gohlke/Bongarts/Getty Images)

Tido como prodígio, Deisler não demorou para ser convocado para a seleção alemã, e aos 20 anos integrou o elenco da Nationalef na fracassada campanha da Eurocopa de 2000, se despedindo na primeira fase da competição. Em 2001, uma grave lesão o afastou da temporada, e consequentemente da Copa do Mundo de 2002, foi o início de seus problemas de lesão e da depressão de acordo com o tempo fora dos gramados, mesmo que meia não tenha notado na época, pois como alguns sabem, a depressão é silenciosa e misteriosa.

O talento de Deisler chamou a atenção do maior clube da Alemanha, o Bayern München, que o contratou após o mundial. Mas não é fácil jogar no maior clube do país, a pressão em Munique era de fato maior que em Berlim, e as constantes lesões, o impediram de exercer seu trabalho da melhor forma, com isso, a saúde mental do jogador começou a ser consumida, a depressão começou a ser desenvolver, Deisler não estava suportando a pressão e às expectativas depositadas nele. O anúncio de seu quadro depressivo foi feito pelo então técnico da seleção alemão, Rudi Völler, durante uma coletiva de imprensa.

Deisler deixando uma partida do Bayern lesionado (Photo by Martin Rose/Bongarts/Getty Images)

Deisler é casado com a brasileira Eunice Santana, após ter seu filho, reagiu na temporada 2004-05, e disputou a Copa das Confederações de 2005 pela Die Mannschaft como titular. Michael Ballack, era o grande nome alemão na época, mas Deisler também tinha papel importante, a seleção alemã perdeu para o Brasil na semifinal da competição, numa dolorosa derrota por 3 a 2. Vindo de boa fase e recuperando a confiança no seu futebol, o meia infelizmente obteve uma nova lesão no seu joelho direito, que o tiraria novamente de uma Copa do Mundo, a de 2006, disputada no seu próprio país, Alemanha. O choque foi muito intenso para o jogador, na época com 26 anos de idade, Deisler jamais se recuperou psicologicamente, e em 2007, anunciou sua aposentadoria precoce, chocando o mundo do futebol, o Bayern por sua vez decidiu não rescindir o contrato do meia que era válido até 2009, na esperança que ele mudasse de ideia e voltasse a campo, afinal, era um grande jogador que por infelicidade se lesionava com frequência, mas Deisler nunca voltou atrás em sua decisão.

Deisler vestindo a camisa da seleção brasileira, após trocar com Zé Roberto, depois da partida diante do Brasil na Copas das Confederações de 2005 (Foto: ANTONIO SCORZA/AFP/Getty Images)

Hoje o Basti Fanstati, apelido que ganhou quando ainda atuava no Hertha BSC, vive em Freiburg e tem sua própria loja. Em setembro de 2009 lançou sua biografia, intitulada "Züruck ins Leben" (De volta à vida), no mesmo apareceu novamente publicamente após a triste e trágica morte do goleiro Robert Enke, que também sofria de transtornos psicológicos e veio a se suicidar. Dando como exemplo a sua carreira, Sebastian Deisler defende um maior cuidado dos clubes e federações com a saúde mental dos atletas.

Deisler e sua esposa, a brasileira Eunice Santana (Foto: Martin Rose/Bongarts/Getty Images)

Apesar da curta carreira, o meia conquistou pelo Hertha BSC em 2001 a Premiere-Ligapokal (Copa da Liga Alemã) torneio que hoje é extinto, pelo Bayern conquistou três Bundesligas em 2002-03, 2004-05 e 2005-06, três DFB Pokal (Copa da Alemanha) em 2002–03, 2004–05, 2005–06, e uma Premiere-Ligapokal em 2004.

Deisler comemorando o titulo da Bundesliga (Foto: sampics/Corbis via Getty Images)

Moral da história, temos que encarar problemas psicológicos de forma séria, seja conosco ou com  pessoas ao nosso redor, Sebastian Deisler nunca será esquecido para o fã do futebol, mas infelizmente sempre nos lembraremos de forma melancólica, imaginando a tristeza de como tudo ocorreu e o que jogador poderia vir a ter se tornado.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.